Uma nova alvorada

garota

Após Stela ter seu pedido rejeitado, ela diz que é melhor cada um ir para seu lado, então ela parte em direção à sua casa. Desolada, resolve entrar em suas redes sociais para esfriar a cabeça, ao abri-las, vê uma solicitação de amizade de um colega de sua amiga. Curiosa, ela entra em seu perfil e vê que ele é um jogador de futebol amador, do “Misererenóbis”, time de uma cidade próxima, então, decide aceitá-lo.

Ao passar o feed de notícias, ela vê muitas publicações de seu ex-namorado, Stela decide apagá-las para esquecê-lo de vez. Com o feed mais vazio, ela consegue navegar mais rapidamente, assim, vê que uma amiga está marcando presença em um show.

*Beep*

Uma mensagem de alguém chamado “Bilau”, ela se assusta, porém descobre que era o nome do jogador de futebol através da imagem. De cara, começam uma conversa como se já fossem velhos amigos. A cada dia que se passa, ficam mais íntimos, porém se afastam ao mesmo tempo, pois a equipe de futebol tinha medo que ele se afastasse do esporte, Stela, pensando em aumentar a afetividade entre os dois, marca um encontro em uma cafeteria, sendo assim, ele aceita.

Lugar e horário marcados, mas cadê ele? Depois de muito tempo esperando, ele a manda uma mensagem dizendo que haveria treino. Ela volta para casa, um pouco triste. Ao chegar, liga seu MP3 e coloca sua música favorita, “Será?“, da Legião Urbana, então, lembra que Bilau gostava muito desta música, então resolve abrir seu Facebook e ver as notícias, como se tudo estivesse ocorrendo novamente. Até que, inesperadamente, ela descobre que o show era na verdade da Legião Urbana. Passam-se poucos dias, e ela já tem os ingressos nas mãos, escolhe sua melhor roupa e sai.

Chegando ao show, ela olha através da multidão e vê sua amiga, elas começam a conversar, até que, do nada, Bilau aparece e interrompe a conversa. Ele pede desculpas por não falar com ela e explica que sua equipe estava impedindo-o, então, os dois assumem um namoro, Stela lhe dá um beijo, sendo esse o primeiro de muitos outros ainda por vir.

A ilusão se tornou realidade

No bar de esquina, Fernando se encontrava já em sua terceira dose de whisky, resultado de uma desilusão amorosa causada por sua irmã postiça Fernanda, que o trocou enquanto ele estava em uma viagem de estudos.

Fernando estava apreciando uma jovem e atraente cantora, que cantava “Somebody to Love”, do Queen, quando foi interrompido por seu amigo Claudio, que sempre passava pelo bar na volta do trabalho e andava preocupado com as atitudes de Fernando após a desilusão.

– Dia difícil, Fernando? – Perguntou Claudio, sentando no banco de couro ao lado do amigo.

– Estou surpreendido, nunca vi uma moça tão linda, você a conhece? – disse, apontando para a cantora.

– É Tereza, ela sofreu uma desilusão assim como você, é gente finíssima!

Os amigos até tentaram construir um diálogo, mas Fernando já estava em outro plano, ora, como é bobo um homem apaixonado. Claudio, vendo ali uma oportunidade de ajudar o amigo a esquecer Fernanda, já estava criando expectativas de ir falar com a moça.

E assim foi feito; depois da quarta dose, Fernando e Tereza já estavam desabafando sobre suas desilusões e começando ali, quem sabe, uma nova ilusão…

Todo domingo, na casa de Madalena (mãe de Fernando e de Fernanda), ela, Fernanda e seu marido se reuniam para almoçar. Fernando não queria mais olhar para cara de sua ex-namorada, no entanto, tinha que buscar algumas roupas na sua antiga casa, por isso, pediu a Claudio para buscar para ele.

Quando Claudio entrou e explicou para dona Madalena seu motivo de estar ali, a mesma não se opôs, e, quando ele já estava indo embora, Fernanda o surpreendeu:

– Olá, Claudio, como vai Fernando? – Perguntou Fernanda, timidamente.

– Solitário, como sempre – Desdenhou Soares (marido de Fernanda).

– Pois digo-lhe que não, meu caro Soares. Fernando está muito bem acompanhado de uma bela mulher chamada Tereza, se bem lhe interessa – respondeu Claudio sem pensar, afinal, por enquanto, Fernanda e Tereza eram apenas amigos.

– Pois bem, proponho um encontro de casais, diga a Fernando para que ele venha com sua “namorada” domingo que vem, na hora do almoço – Desafiou Soares.

Quando Claudio contou a Fernando o que aconteceu, o rapaz ficou preocupado, pois não podia mais cancelar ou iriam achar que era mentira. Tereza tinha lhe contado no bar que não queria nada sério agora. Então, Fernando decidiu armar com Tereza um amor, apenas para não sair mal no almoço.

Fernando ligou para Tereza e, com relutância, ela aceitou, “apenas por amizade”, dizia a mesma. E, quando finalmente chegou o dia do almoço, deu tudo certo, menos para Fernanda, que ficou irritada, pois queria estar no lugar de Tereza, e nesse momento percebeu que seu verdadeiro amor era Fernando, porém agora não dava mais tempo.

Já para Fernando, deu tudo certo, já que depois daquele almoço, a ilusão se tornou realidade, e Tereza e Fernando decidiram, depois de um mês, namorar de verdade desta vez.

 

Música tema: https://www.youtube.com/watch?v=kijpcUv-b8M

Stela e a Tecelã

Após destecer seu marido, Lúcia, a moça tecelã, voltou a sentir-se só. Diante disso, mudou de ideia e percebeu que era melhor viver ao lado de Antônio, seu marido, do que sozinha. Pôs-se, então, a tecê-lo novamente.

Porém, Antônio estava magoado por ter sido traído e resolveu se vingar. Sem que Lúcia percebesse, ele fugiu da modesta casa onde se isolava a tecelã levando consigo o tapete mágico de sua esposa.

Tempos depois, Antônio estava vivendo confortavelmente, cercado de criados em um palácio de luxo que havia tecido, enquanto Lúcia passava necessidades. Ao procurar emprego, a tecelã se lembrou da época em que costurava no “Mariposa Azul”, então foi procurar a amiga Stela, antiga colega de trabalho, para pedir ajuda.

Lúcia conseguiu emprego no ateliê da Madame Graça, que foi muito bondosa. Embora vivesse uma rotina cansativa trabalhando para se sustentar, sua relação com a amiga Stela era de parceria. A relação de ambas foi ganhando tanta proximidade que logo a amizade se transformou em romance. Ao perceber a relação das duas, Madame Graça resolveu ajudar, permitindo que as apaixonadas se encontrassem em um cômodo vazio do ateliê. Heitor, amigo de Stela, também percebeu a amiga mais contente, então a costureira, mesmo com o receio de sofrer algum preconceito, confidenciou que estava apaixonada por Lúcia.

Movido pela inveja do relacionamento que Lúcia havia conseguido com Stela, Heitor passou a espionar as duas e escutou-as falar de Antônio. Interessado pela história do ex-marido, Heitor procurou o homem e, ao encontrá-lo, planejaram juntos uma vingança.

Os dois colocaram em prática seu plano, mas para garantir o sucesso, precisavam de alguém que entendesse mais sobre o assunto; então, se aproveitaram da ingenuidade de Madame Graça e juntos, levaram o tapete ao ateliê. Heitor apresentou-lhe Antônio como um amigo que se apresentava com fantoches e precisava que a madame tecesse duas jovens apaixonadas que se afogavam após caírem de uma ponte. E assim, com perfeição, a madame foi tecendo, e logo ficou pronto. A magia do tapete fez com que Stela e Lúcia caíssem de uma ponte e se afogassem no rio.

Ao chegar a noite, Madame Graça esperou, como de costume, as costureiras para entregar as chaves do ateliê e do cômodo que as duas ocupavam. O tempo passou e nenhum sinal de Stela e Lúcia. Aflita, a madame esperou amanhecer para ir procurá-las.

Na polícia, soube que dois corpos haviam sido encontrados às margens do rio. Arrasada e desconfiada, a madame foi atrás de Heitor para questionar a coincidência entre a costura que havia feito para Antônio e o acontecido. Pressionado, Heitor contou sobre a magia do tapete e, juntos, foram atrás de Antônio.

No palácio, Graça começou a destecer tudo, o homem sumiu novamente e as costureiras voltaram à vida. Heitor se disse arrependido, porém não foi perdoado por Stela e Lúcia, que armaram para que ele fosse flagrado com o tapete e fosse preso por bruxaria.

Depois de um ano de cadeia, Heitor decidiu retomar a vida em outro país. Em um navio, viajando pela Europa, teve a surpresa de encontrar Stela e Lúcia, que estavam a caminho de uma universidade onde Stela se especializaria em Geografia e daria aulas para crianças de uma pequena cidade. Stela então lhe contou que no ano em que ele esteve na cadeia, ela conseguiu se formar na escola e ingressar no curso normal, pois o tapete as sustentara e não precisaram mais trabalhar. Seu espírito de viajante então a guiou para essa universidade europeia, onde realizaria seu sonho.

Heitor se mostrou profundamente arrependido e Stela e Lúcia não tinham mais mágoas, então Stela e Heitor reataram a amizade e seguiram suas vidas sem rancores do passado.

Uma surpresa para Toshiro

     Há quase um mês, um gentil japonês chamado Toshiro era traído, sem desconfiar, pelo seu melhor amigo e sua esposa, Fujie. Certo dia, voltando de sua aula de judô, resolveu visitar seu amigo, pois já não o via há bastante tempo.

    Chegando ao apartamento de seu parceiro, bateu na porta, mas não foi atendido. Estranhou, pois o mesmo já deveria ter chegado do trabalho naquele horário. Curioso, resolveu puxar a maçaneta e notou que a mesma estava destrancada, o que o preocupou; por isso, decidiu entrar.

    Assim que entrou, escutou ruídos que vinham do quarto e os seguiu. Ao abrir a porta, deparou-se com a sua esposa na cama com aquele que dizia ser seu melhor amigo. Vendo aquela cena, não conseguiu dizer nenhuma palavra, apenas foi embora.

    Desolado, andava pelas ruas sem rumo até que avistou um bar e, como tentativa de esquecer a infeliz situação em que se encontrava, resolveu entrar para beber. Enquanto tomava sua cerveja, viu uma linda mulher aproximando-se encharcada devido à tempestade que caía lá fora. A mesma, que sentou-se ao seu lado após pedir uma bebida, notou que o rapaz parecia cabisbaixo, por isso, resolveu puxar assunto.

    As horas passavam, o bar esvaziava-se e a conversa só fluía. Já estava quase amanhecendo e os dois pareciam que se conheciam há muito tempo. A moça, que se apresentou como Daphne, contou toda sua história de desilusão amorosa a Toshiro, que fez o mesmo. Ali, sentados em um balcão de um simples bar, perceberam que eram feitos um para o outro.