A traição inesperada

traicoes-no-casamento-12

No baile, lá estava ela, a menina coroada por ser princesa da primavera, chamada Gabriela. Quando chegou a hora da valsa, a princesa não tinha o par para dançar, então sentou-se em uma das cadeiras e se deparou com menino bonito, alto, ruivo e muito elegante, ela ficou paralisada naquele momento. Depois de um certo tempo e olhares, ele a convida para dançar, Gabriela aceita na hora.

      Dançaram à noite inteira, ele disse que se chamava Alexandre, os dois se apaixonaram um pelo outro. Passaram dois anos, e eles resolveram se casar.

      O tempo passou, Gabriela percebeu que Alexandre estava diferente, já não era o mesmo que conhecia no baile, percebeu que ele saia todas as noites. Até o dia que ela viu uma mensagem no celular dele, de uma mulher, Marina, a mensagem dizia: “Vamos nos encontrar às 23:30 hs dessa noite”. Gabriela só chorava, após tanto de choro, resolveu ir ao encontro escondida.

      Gabriela chegou ao hotel, onde eles estavam, deparou-se com sua melhor amiga de infância, deitada ao lado de seu marido. Ela saiu chorando para casa, jogou as roupa de Alex na rua, fez sua mala e foi para Dubai recomeçar a sua vida.

O Bilhete do Amor

casal-amor

No final de semana eles se encontraram na praça para se conhecerem melhor, trocaram seus números e despediram-se com abraços. Na semana seguinte se encontram novamente eles começaram a se apaixonar mais e mais; até que em uma tarde ensolarada, os dois não conseguiam mais esconder os seus sentimentos, e deram seu primeiro beijo, muito esperado pelo casal.

Quando os dois tinham 17 (dezessete) anos, foram estudar no exterior, ele em Nona York e marina em Boston, mas sempre que podiam eles se encontravam, pois nenhuma distância pode acabar com o amor verdadeiro.

Terminaram a faculdade com 22 anos e Pitu pediu-a em casamento, um (1) ano depois eles casaram na praia (lugar sonhado pelos dois fazia tempo) a festa foi até o por do sol o casal passou a noite na praia para tirar fotografias ao nascer do sol.

A lua de mel foi em paris onde se divertiram muito, de lá foram para suas novas vidas.

Quando chegaram em casa tiveram uma grande surpresa Marina estava grávida. Com o passar dos nove meses, a filha deles nasceu a muito esperada Letícia.

Meses depois, eles andavam de carro, e houve um acidente, em que Marina ficou gravemente ferida e entrou em coma durante dois anos, ao sair do coma Marina não se lembra de nada de sua vida para tristeza de todos. Pitu faz de tudo para fazer sua esposa olhar sua família como olhava antes, em ver que todo o esforço seria em vão Pitu, fica muito triste e a única coisa que o faz seguir a diante é o amor pela sua filha e sua esposa.

Como sempre, muito insistente, continua tentando de tudo para reconquistar Marina, a leva na praça onde ocorreu o primeiro beijo. Aos poucos Marina vai se lembrando de sua história, de seu marido, de sua filha.

Dois (2) anos depois Marina estava completamente curada com sua memória toda restaurada e Pitu estava com as suas amadas.

Pitu e Marina tiveram mais duas meninas e viveram o resto de suas vidas muito felizes.

O jogo da vida

gg

Em uma casa viviam duas pessoas, Beto, um viciado em games e seu pai, Antônio, que adorava ler jornal e beber café.

Beto passava suas noites em branco, pois amava seus jogos e era completamente viciado. Seu objetivo maior era zerar o máximo de games possíveis. Em consequência a isto, ele ia muito mal em seu colégio.

Beto Ribeiro estava no terceiro trimestre, no caso o último, e suas notas eram consideravelmente ruins e não percebia o quão grave isto era apesar de seu pai “encher seu saco” falando que era para ele estudar para que não repetisse, caso isto acontecesse ele ficaria por muito tempo sem seus games.

De manhã, bem cedo, por volta das cinco da manhã, toca o despertador altamente irritante que faz Beto acordar de mal humor, pois não dormiu quase nada já que estava em uma das suas jogatinas até de madrugada, ele sai de sua cama e vai direto a mesa para tomar café com seu pai e como sempre Antônio, já lá estava lendo um jornal e tomando seu café.

Os dois, cansados da mesma rotina de sempre descem para o térreo do apartamento, em um momento de reflexão Antônio pede a Deus que proteja o Beto e o ajude nos estudos, em seguida o pergunta se ele gostaria de uma carona, mas seu filho não gostava muito da ideia, ser visto com seu pai não causaria uma boa “impressão”, por isto recusava.

Ao chegar ao colégio, a turma de Beto recebe uma notícia sobre a vinda de três novos alunos e uma das integrantes era uma garota chamada Lilian, uma encantadora menina e com um QI altamente incrível. Ribeiro não ligou para os novos alunos que viriam nos próximos dias, pois acha que isto não iria influenciar em sua vida, porém, ele estava completamente enganado.

Uma comemoração foi planejada para as boas vindas dos novos alunos cujos nomes eram: Caio, Eric e a encantadora Lilian. Assim que Beto, o aluno desinteressado na vida e de tudo que ela pode oferecer de melhor, viu aquela linda garota, ele instantaneamente se interessou, apaixonou-se, pela formosa e quase formada mulher.

Lilian é uma garota muito inteligente, que se cuida e tem uma vida quase que formada. Loira, olhos castanhos claros, branca e muito bonita, ao contrário de Beto, um garoto totalmente desinteressado nos estudos, não era alto e nem tinha um desses corpos almejados pelos jovens, era apenas um menino que nunca tinha visto o mundo de uma forma diferente e não havia motivos para batalhar. Era uma pessoa que nunca parou para refletir sobre a vida e nem nada do tipo, tinha um cabelo negro escorrido, meio baixinho e fora de forma, mas no fundo só queria ter muitos amigos, amar e ser feliz.

Cerca de duas semanas depois, Caio foi até Beto para pedir informações e ajuda, todas as perguntas foram respondidas com facilidade, exceto “Será que você pode me passar a matéria do ano? ”, mas não havia nada em seu caderno além de desenhos e algumas histórias de jogos, então Beto respondeu “É o seguinte… aconteceu um incidente com meu caderno e eu to sem a matéria também, te recomendo a pedir a algum outro aluno, pois eu farei o mesmo”.  Eles continuam a conversa por um tempo até que Caio pergunta seu nome e se apresenta ao mesmo tempo: “Qual seu nome? O meu é Caio Filipe e tenho 17 anos”, meio tímido e sem jeito, responde Beto “O meu é Beto e tenho a mesma idade que você”. Despediram-se e foram fazer seus afazeres.

No mesmo dia da vinda dos alunos novos, foi tocado o sinal de saída. Beto se despedira do amigo e foi para o ponto de ônibus, mas no caminho uma garota pede por ajuda e ele vai verificar. Percebe que ela havia caído e se machucado levemente, no entanto para a surpresa dele era a encantadora Lilian. Após ser ajudada , diz “Obrigada, você foi muito legal por ter me ajudado mesmo sem me conhecer. Muito prazer, eu me chamo Lilian”. E com muita vergonha diz Beto “Isto não foi nada, só fiz o que gostaria que fizessem por mim”. Abrindo um grande sorriso, “Você vai para onde? ” Interroga Beto “Estou indo para o ponto, pegar o 721” .“Sério?! Eu também posso ir junto com você? ” “ Sim, claro que pode! ” – Exclama ela. Para a grande surpresa de Beto, ela mora apenas uns dois quarteirões de sua casa, então eles combinaram de se encontrar no ponto de ônibus no dia seguinte para juntos irem ao colégio.

Em casa, seu Antônio trouxe novidade do seu trabalho “Serei promovido Beto! Isto será uma grande oportunidade para que eu suba na empresa, meu filho, e talvez até virar um dos proprietários” – disse pai de Beto. “Tá falando sério, velho? Que da hora, bom que você está conseguindo crescer na empresa” .“Sim, sim, está foi uma gloriosa e honesta conquista”. No dia seguinte, Beto foi para o ponto de ônibus para esperar Lilian e logo em seguida ela veio. Ao chegar ao colégio, Lilian viu que Beto não tinha tanto interesse pelas matérias, porém ela começou a dar forças e ajudá-lo.

Depois de muito tempo de dedicação dos dois, estava próximo o momento decisivo, as provas. Beto havia estudado muito junto com Lilian, também fizeram novos amigos e conheceram novos lugares. Após as provas, todos os professores se surpreenderam com o grandioso desempenho de Beto que, por incrível que pareça, foi a maior nota da turma. Claro seguido de Lilian.

Depois de todo o sufoco das provas e de todos os desafios que eles passaram juntos, é a chegada das grandiosas férias em que Lilian e Beto se encontraram e saíram várias vezes juntos.

Então um dia Beto decidiu levá-la em uma montanha longe da cidade e lá eles ficaram o dia todo. Chegando a hora do pôr do sol e eles começaram a conversar e ficar cada vez mais próximos um do outro e quando finalmente o sol se encontrou com o horizonte, Beto a beijou.

A Pomba Enamorada ou uma história de amor

trabalho-de-portugues

A Pomba Enamorada vai ao encontro do misterioso amado, cujo nome se iniciava com a letra A. Quando chegou, ficou feliz, porém insegura, pois quem estava lá era Antenor. Sem fôlego e emocionada, pergunta a ele:

– O que você veio fazer aqui?

Então ele responde:

– Vim aqui para te encontrar novamente e te dar uma segunda chance.

– Nossa mãe, esperaria ganhar na megassena e não esperaria que você fosse dizer isso.

Depois desse diálogo inicial,  Antenor a chama para um restaurante para conversarem. Entrando lá, eles olharam o cardápio e pediram o jantar, depois de pedir a comida, a Pomba Enamorada pergunta a ele novamente:

– Como você, depois de tudo o que fez comigo, veio me encontrar?

– Então, eu pensei bem sobre o fato de você ter ficado aquele tempo todo insistindo e eu ignorando e resolvi te dar uma chance.

Surpreendida, ela fez várias outras perguntas sobre ele, não vendo a hora passar.

Depois de conversarem bastante, Antenor leva a Pomba Enamorada para casa.

No carro, a Pomba beija Antenor de surpresa. Dias depois, a Pomba Enamorada passa mal dentro de casa e liga para Antenor desesperada, ele atende e foi correndo para lá. Quando chegou, se surpreendeu, ela desmaiou na hora, parou de respirar e morreu.

No dia do enterro da Pomba, Antenor foi o único a comparecer naquele dia triste e escuro. Antenor estava muito triste e se arrependeu por não ter dado a atenção que ela merecia. Depois de alguns minutos Antenor sentiu uma dor forte do peito e morreu… de amor.

Link da Música :https://www.vagalume.com.br/fabio-jr/alma-gemea.html

A volta da ilusão

mvd

Alda partiu para a Europa, ainda muito triste com fim de sua ilusão, que fazia tão bem a ela… Descobrira na noite anterior que seu amado “Túlio” era Geraldo, um estudante de medicina.

Enquanto isso, Geraldo continua seus estudos. Porém, o tempo faz com que as coisas melhorem. Alda estava estudando em um parque, quando conheceu um homem de valor, ótimo lutador no tatame. Seu nome era Toshitaro. Pareceu amor à primeira conversa! Os dois precisavam falar. Ele contou que sua ex-mulher o traiu com seu melhor amigo. Ela também contou sua história.

Os dois passavam a se encontrar quase que diariamente. Alda descobriu que Toshitaro estava se tornando um lutador de sucesso por toda a Europa. Ela já estava terminando os estudos.

Já Geraldo se tornou um grande médico, rico e casado! No final da faculdade, ele conheceu Marilene. Uma menina alguns anos mais velha, e um pouco metida, como diziam as más línguas! Também era médica, mas não possuía um consultório particular, como Geraldo.

Os dois se casaram na praia, em um dia aparentemente feliz, mas ele sentia falta de Alda Pereira, seu grande amor.

Quando Alda estava prestes a se casar com Toshitaro, recebeu a notícia de que precisaria fazer uma viagem ao Brasil para visitar seu pai. Por coincidência do destino, no dia de sua chegada, Geraldo estava levando Marilene ao aeroporto. Ela iria representá-lo em um congresso no exterior por um tempo.

Geraldo estava de saída quando, de repente, avista Alda. Seu coração bate mais forte e ele corre ao seu encontro, esquecendo-se completamente do anel que enfeitava seu dedo. Ela se surpreende com o inesperado reencontro, e quando estava prestes a sair de perto, Geraldo lhe ofereceu uma carona.

Enquanto isso, Marilene chega à Europa e conhece pessoalmente Tochitaro, de quem já era uma grande fã.

Ela passa a frequentar suas lutas e ele a leva às suas reuniões. Finalmente decide terminar com Alda, pois está completamente apaixonado por Marilene.

Tochitaro fez uma chamada por skype e Alda responde rapidamente. Ele está com Marilene, ela não vê Geraldo desde a carona até o aeroporto.

Tochitaro começa, falando:

– Alda, precisamos coversar! Eu quero terminar!

Marilene completa:

– Estamos apaixonados!

Tochitaro pede:

– Marilene, não se mete!

Alda em choque, responde:

– Tudo bem, eu aceito o divórcio.

E foi isso que aconteceu, os dois se divorciaram e Tochitaro casou-se com Marilene, que é realmente o seu grande amor. Enquanto isso, Geraldo chama Alda para conversar. Ele se declara para ela, contando como ele é, sem nenhuma mentira ou ilusão dessa vez… E, finamente, eles assumem o relacionamento e começaram a viver esse amor.

 

Música tema: https://www.vagalume.com.br/ellie-goulding/love-me-like-you-do.html

Dois Milionários e uma Desconhecida

mi_23864516596232430

Os mais velhos dizem que temos apenas duas chances de sermos ricos nesta vida: a primeira, é na hora de nascer; a segunda, na hora de casar. Desperdiçadas essas chances, pronto, vai ser pobre pelo resto da vida.

Emílio nasceu e cresceu na cidade de Barbacena, morava em um bairro humilde, em um barraco feito de tijolos podres e cimento velho. Sua mãe, empregada doméstica, não ganhava o suficiente para pagar as contas; seu pai, segurança do prédio pertencente à família mais rica da cidade, ganhava mais que sua esposa e, mesmo assim, não era o bastante para sustentar sua mulher e três filhos.

Emílio, o filho mais velho, trabalhava desde pequeno, fazendo bicos aqui e acolá. Sempre quis mais, sonhava em morar em uma mansão, ter helicópteros, computadores, vários empregados a sua disposição e muito mais. Sua mãe, de cara, já percebera a ganância e fome de dinheiro de seu filho. Ouvia-se muito ela dizer:

– Emílio já encontrou o amor, o nome de sua parceira é Dinheiro, por ela esse menino faria qualquer coisa, amor verdadeiro esse.

Com vinte e cinco anos de idade, o filho do segurança do prédio da família mais rica de Barbacena encontrou-se com a filha mais nova dessa família: um encontro ao acaso,  indo visitar o pai, Emílio esbarrou nela sem querer. Foi amor à primeira vista, ela apaixonou-se por ele e ele pelo dinheiro dela.

Não tardou para começarem a se encontrar todo dia no mesmo prédio, demorou menos ainda para começarem a namorar e logo ele fez o pedido tão esperado. Ajoelhado em um restaurante, perguntou:

– Dinheiro, digo, Gisele, quer casar comigo? – Ela, toda apaixonada, aceitou, e ele, muito contente por não ter desperdiçado a segunda chance, começou a preparar o festejo.

Não conseguiram ter filhos, mas ninguém ficou abatido, para Gisele apenas Emílio importava, e para Emílio, bem, não é preciso repetir.

Contudo, o tempo passou e Emílio percebeu que não só de mansões e carros de luxo o homem vive, estava faltando alguma coisa. Mais empregados? Uma casa maior? Computadores mais modernos? Ele não sabia dizer.

Um belo dia, andando no shopping, Emílio se deparou com o que faltava na sua vida. Ela era linda, com feições delicadas e simples, um rosto que seria fácil de esquecer se não fosse tão hipnotizante e marcante, era aquele tipo de rosto que se você olha uma vez não chama atenção, mas quanto mais você olha, mais bonito vai ficando, sempre.

O homem rico aproximou- se enquanto ela lia um livro, “O Corcunda de Notre Dame”, e começou a conversar, perguntou seu nome. “Carolina” foi a resposta, dita de forma tão suave e doce que até os anjos pararam para ouvir.

Desconfiada no início, a moça não deu muita atenção ao homem, porém, aos poucos, foi se encantando por aquele rico, aparentemente muito superficial, mas com a mente tão profunda e surpreendente quanto o universo.

Passaram sempre a se encontrar no mesmo shopping, apaixonaram-se aos poucos, aquele tipo de amor que se constrói peça por peça, como um quebra-cabeça, no início impossível de construir, confuso demais, mas, com o tempo, nota-se uma imagem linda e simples de ser compreendida.

No começo Emílio enganou Carolina, mas, depois de um tempo, depois que estavam completamente apaixonados, ele contou sobre sua esposa. Espantosamente, Carolina não se importou, ela o amava e sabia que Emílio, ganancioso como só ele, não largaria o dinheiro. Aceitou, portanto, ser a amante, a tão famosa “outra”.

E Gisele, não desconfiava de nada? Muito pelo contrário, ela sabia de tudo, desde os encontros no shopping até os eventuais encontros carnais em lugares mais reservados. Mas ela amava muito Emílio para abandoná-lo e sustentou isso por um tempo, até seu orgulho gritar em sua cabeça dizendo que ela não merecia tal humilhação.

Foi em uma tarde nublada, o vento uivava como uma amante em seu ocasional encontro com o outro, uivava quase tão alto quanto o som do revólver. Dois tiros seguidos, secos, limpos, sem gritos ou correria. Depois, um último disparo, executado da mesma forma. Horas depois encontraram os corpos, um casal de milionários, membros da família mais rica de Barbacena, e uma mulher, até então desconhecida. Disseram que a desconhecida e o milionário eram amantes, e a milionária matou os dois e depois se matou. A polícia deu ao caso o nome de “Os Amantes”.

Como tudo começou

   cupido-agradavel-com-uma-seta_805

      Um jovem chamado Anthony, de 20 anos, cursava a  faculdade com o fim de se tornar um grande empresário e estava prestes a encontra o amar de sua vida, a menina de seus sonhos. Antony tinha uma personalidade bem peculiar para sua idade. Era muito calmo, humilde, tímido e, acima de tudo, muito amoroso. Vindo de uma família de classe baixa, sonhava ser reconhecido pela sociedade da época e construir sua própria família com a mulher que amava.

    Foi quando, em uma festa de sua faculdade, ele conheceu Açusenna, e rapidamente se interessou pela jovem. Então, se apaixonou e começou a conversar e, em meio a isso tudo, ela se demonstrou simpática, humilde, divertida e, além disso, era bonita, lindos olhos azuis e também havia vindo de uma família de classe média.

    A partir de então, começaram a se encontrar inúmeras vezes, até que Anthony a pediu em namoro. Ela, apaixonada por ele, aceitou sem nenhuma dúvida de que queria namorá-lo.

    Alguns anos se passaram, até que um dia, o casal reencontrou um velho amigo da faculdade que já havia se formado e estava muito bem sucedido: Jeremias. Era um aristocrata de classe média alta., bastante ganancioso. Logo após a chegada de Jeremias, Açusenna terminou o namoro com Anthony sem dar explicações e, pouco tempo depois do término, Anthony descobriu que sua amada estava tendo um caso com seu amigo, interessada apenas no dinheiro dele.

    Depois de tanto sofrimento, Anthony chegou à conclusão de que não importa o quão calmas, bonitas, agradáveis e amorosas as pessoas sejam, os ricos sempre vão se sobressair. Devido a essa decepção, sua personalidade mudou completamente, estava disposto a ganhar muito dinheiro e passou a acreditar que o dinheiro compra tudo, até mesmo amor, mesmo que seja indiretamente.

A ilusão se tornou realidade

No bar de esquina, Fernando se encontrava já em sua terceira dose de whisky, resultado de uma desilusão amorosa causada por sua irmã postiça Fernanda, que o trocou enquanto ele estava em uma viagem de estudos.

Fernando estava apreciando uma jovem e atraente cantora, que cantava “Somebody to Love”, do Queen, quando foi interrompido por seu amigo Claudio, que sempre passava pelo bar na volta do trabalho e andava preocupado com as atitudes de Fernando após a desilusão.

– Dia difícil, Fernando? – Perguntou Claudio, sentando no banco de couro ao lado do amigo.

– Estou surpreendido, nunca vi uma moça tão linda, você a conhece? – disse, apontando para a cantora.

– É Tereza, ela sofreu uma desilusão assim como você, é gente finíssima!

Os amigos até tentaram construir um diálogo, mas Fernando já estava em outro plano, ora, como é bobo um homem apaixonado. Claudio, vendo ali uma oportunidade de ajudar o amigo a esquecer Fernanda, já estava criando expectativas de ir falar com a moça.

E assim foi feito; depois da quarta dose, Fernando e Tereza já estavam desabafando sobre suas desilusões e começando ali, quem sabe, uma nova ilusão…

Todo domingo, na casa de Madalena (mãe de Fernando e de Fernanda), ela, Fernanda e seu marido se reuniam para almoçar. Fernando não queria mais olhar para cara de sua ex-namorada, no entanto, tinha que buscar algumas roupas na sua antiga casa, por isso, pediu a Claudio para buscar para ele.

Quando Claudio entrou e explicou para dona Madalena seu motivo de estar ali, a mesma não se opôs, e, quando ele já estava indo embora, Fernanda o surpreendeu:

– Olá, Claudio, como vai Fernando? – Perguntou Fernanda, timidamente.

– Solitário, como sempre – Desdenhou Soares (marido de Fernanda).

– Pois digo-lhe que não, meu caro Soares. Fernando está muito bem acompanhado de uma bela mulher chamada Tereza, se bem lhe interessa – respondeu Claudio sem pensar, afinal, por enquanto, Fernanda e Tereza eram apenas amigos.

– Pois bem, proponho um encontro de casais, diga a Fernando para que ele venha com sua “namorada” domingo que vem, na hora do almoço – Desafiou Soares.

Quando Claudio contou a Fernando o que aconteceu, o rapaz ficou preocupado, pois não podia mais cancelar ou iriam achar que era mentira. Tereza tinha lhe contado no bar que não queria nada sério agora. Então, Fernando decidiu armar com Tereza um amor, apenas para não sair mal no almoço.

Fernando ligou para Tereza e, com relutância, ela aceitou, “apenas por amizade”, dizia a mesma. E, quando finalmente chegou o dia do almoço, deu tudo certo, menos para Fernanda, que ficou irritada, pois queria estar no lugar de Tereza, e nesse momento percebeu que seu verdadeiro amor era Fernando, porém agora não dava mais tempo.

Já para Fernando, deu tudo certo, já que depois daquele almoço, a ilusão se tornou realidade, e Tereza e Fernando decidiram, depois de um mês, namorar de verdade desta vez.

 

Música tema: https://www.youtube.com/watch?v=kijpcUv-b8M

ADEUS

tristeza4

Ao chegar na rodoviária, a Pomba Enamorada se encosta numa mesa e começa a procurar pelo seu “verdadeiro amor”. Depois de 2 horas de espera, eis que ela vê um homem com um sobretudo marrom e chapéu cinza descendo de um ônibus amarelo, como a moça havia previsto. Ela olhou para ele e quando seus olhares se encontraram, ficaram se encarando por alguns segundos, sem reação alguma. Então Antenor tomou uma atitude: foi em direção a ela. Ela ficou nervosa, com o coração acelerado. Todas as lembranças de Antenor vieram à tona e, logo após isso, ela o escuta chamando por seu nome.

Depois de dez minutos de conversa numa lanchonete próxima dali, ela se esqueceu do nervosismo, do passado, até do marido. Ela só sorria. Depois de horas de uma conversa prazerosa, ele tinha que ir embora. Estava chovendo. Antenor percebeu que não podia deixar aquela dama lá. Ele a chamou para um motel, ela aceitou.

Ao chegar nos seus aposentos, conversaram, beberam um pouco e tiveram uma longa noite de amor.

Quando Antenor acordou, viu que ela não estava mais lá e em seu lugar, havia um papel escrito “adeus”. Ela voltou para casa, viu seus filhos chegando do trabalho e passou o dia com eles, enquanto seu marido trabalhava. Um pouco antes de Gilvan chegar, escreveu uma carta, se despediu de seus filhos e foi embora. Quando seu marido chegou, encontrou um papel em cima do sofá que dizia: “adeus”. E no final de tudo, percebeu que a liberdade era seu verdadeiro amor.

 

Turma: 805

Grupo: Lucas, Ryan e Ruan

Fernando e Fernanda

garota

https://www.vagalume.com.br/ed-sheeran/thinking-out-loud.html

Após longuíssimos dias que pareciam não ter fim, Fernanda esperava seu amado voltar da Europa no porto da capital. Risonha, com o semblante transformado, pensava que o pior já havia passado. Ficar dois anos sem ver quem ama, existiria algo pior?

O navio em que Fernando estava desembarcou no porto. O brilho no olhar de Fernanda, a ansiedade para ver seu amado crescia mais e mais.

Quando o jovem desembarcou do navio, o semblante de Fernanda mudara novamente, mas agora, exibia um espírito triste. Percebera que existia coisa pior que ficar longe do seu amado: Fernanda fora traída.

Avistou juntamente com Fernando uma jovem chamada Tereza. Os dois se aproximavam de Fernanda, que conteve as emoções. Ambos passaram direto sem sequer olhar para o triste rosto de Fernanda, que depois, ficou coberto por lágrimas.

O tempo passara e Fernando e Fernanda, embora fossem irmãos de criação, nunca mais se falaram. Fernanda chorou longos dias sem consolação. Vendo o estado em que o Espírito de sua filha encontrava-se, Madalena convidou a todos para um jantar em sua casa, incluindo Fernando e Tereza. Mas para a felicidade dos anjos do destino, Tereza não poderia comparecer ao jantar.

Corramos folha e entremos logo no dia em que ocorreria o jantar em família.

Estavam todos reunidos na mesa, quando Madalena teve de sair para ver o preparo da comida. Fernando e Fernanda se olharam, silenciosamente; não sabiam o que dizer, mas em seus olhares estava nítido o amor que um sentia pelo outro.

Fernanda foi corajosa. Declarou-se completamente a Fernando, expressando todo o seu amor a ele, dizendo que o amor tudo suporta e que mesmo com a distância ela ainda o amara, mas este lhe disse que não sentia mais nada por ela.

Mentira para si mesmo. Meses se passaram e Fernando ainda guardava aquelas belas palavras que Fernanda havia dito em sua memória.

Uma quinta-feira à noite, Fernanda caminhava pelo parque próximo a sua casa, quando avistou Fernando. Naquele momento, os anjos do destino reescreveram um amor nunca apagado, o de Fernando e Fernanda.

Estes conversaram a noite toda. Fernanda indagou o que havia ocorrido na Europa. Fernando lhe esclareceu, dizendo que sentira um vazio no peito e utilizou Tereza para preencher o vazio que a saudade causou, mas que nada foi capaz de apagar o amor que sentia por ela.

Meses se passaram e, após a situação ser esclarecida, Fernando e Fernanda estavam juntos e casaram-se, para a felicidade de todos, principalmente para a de Madalena, que anelava demasiadamente para que ambos ficassem juntos.

Novamente, o semblante de Fernanda mudara: agora, era o de uma mulher feliz, por estar casada com seu primeiro amor.

 

Nas Águas do Seu Mar

Joshua POV.

   Eu não ligava para os outros marinheiros que conversavam alto, não ligava para o quão escuro e nublado o dia estava e tinha até esquecido o quanto odiava o fato de ter sido praticamente atirado nesse navio por meu pai. Tudo só por causa dela, Stela, que agora estava apoiada na beirada do navio, os cabelos esvoaçantes pelo vento forte e o olhar perdido em algum lugar na imensidão do mar.

Ela conseguia roubar toda a minha atenção, assim como o oceano roubava a sua. Estava sempre presente em alguma parte de minha mente desde que a conhecera no pier local, marcando presença ali todo domingo e, eventualmente, passeando nos navios que sempre apareciam aos montes. Foi difícil e levou bastante tempo para fazê-la retirar os olhos do mar e focá-los em mim, já que parecia ficar presa em uma espécie de transe toda vez que ouvia o barulho das ondas.

Agora ela servia como uma âncora para mim, me impedindo de me perder no mar com todas as lembranças de seu rosto e sorriso. Mas ao mesmo tempo que me ajudava a continuar são, sua imagem também me desnorteava, me cegando a todos os perigos que o mar indomável oferecia aos marinheiros e, com isso, me deixando vulnerável.

Felizmente (ou infelizmente) nos aproximávamos cada vez mais, o que aumentou mais minha paixão pela mulher que mais parecia uma tempestade em alto-mar. Mas tinha plena noção que ela, como qualquer mulher de espírito livre como as ondas, poderia ir embora a qualquer momento, ainda mais se se sentisse pressionada ou presa. Por isso tentava deixá-la confortável ao meu lado a todo custo, para que pudesse continuar a contar minhas histórias e, talvez, vivermos uma nossa.

 

Narrador POV.

   Aos poucos, os dois jovens foram se aproximando, encontrando inúmeros gostos em comum. Joshua fazia questão de compartilhar suas aventuras em alto-mar com a garota (de quem, após conhecer o passado, tornou-se grande amigo). Não conseguia negar que estava ligeiramente apaixonado pela moça, até a buscava nas manhãs gélidas de sexta-feira em sua casa, que beirava a imensidão de águas agitadas, fazendo-a se sentir próxima de seu falecido pai. Contudo, já estava ciente de que a mais nova não estava interessada em nenhum tipo de relacionamento sério, queria continuar solteira, livre como as gaivotas que voavam em pleno pôr do sol.

À espreita, um marinheiro de fios claros, rebeldes, denominado Rogério, observava tudo. Seu ódio por Joshua aumentava a cada troca de olhares entre os dois amigos e, após descobrir que também nutria sentimentos de mesmo gênero pela mulher, com certo receio de perdê-la, achou melhor se confessar. Inicialmente ficou confusa e perguntou se era um tipo de brincadeira, mas depois de notar que cada parcela da afeição era real, com um sorriso doce em seus lábios aveludados, disse que também gostava muito dele, todavia, não achava estar pronta para dar esse grande passo em sua vida.

Para a surpresa e alegria dos dois (e desgraça para Rogério), se tornaram cada vez mais próximos, mas esses bons momentos voaram para longe junto com a brisa do mar. Stela começou a discutir frequentemente com seu amigo e o mesmo não entendia o porquê de tanta confusão. Sentiu seu mundo cair em uma noite de domingo, avistando sua amada observando o luar nos braços de outro homem e, infelizmente, conhecia muito bem aquelas madeixas amareladas que se mesclavam com o cabelo negro da moça.

 

  Rogério POV.

   Eu não sei muito bem o que deu em mim. Realmente. Me sinto horrível desde que Stela entrou no nosso navio. Mas essa sensação de estar com ela é tão boa, mesmo que por meios errados.

Ver Joshua e Stela quase juntos fez o sangue subir à minha cabeça. Eu realmente parei de me importar com o que a religião ou as pessoas bondosas e sensatas diziam, só seguia meu coração angustiado, e traí a confiança do meu colega de tripulação.

Eu comecei a escrever cartas. Cartas para Stela. Nelas jaziam palavras escritas com o ódio de uma caneta azul gasta. Uma delas foi:

  “Querida Stela,

   Por que não me corresponde? Você disse que gostava tanto de mim… Isso me machuca demais. Acho que é melhor me afastar definitivamente de você. Isso não me faz nem nunca me fará bem.

                                        Com amor não correspondido por você,

                                                                            Joshua.”

   Sim, meus caros, eu escrevi cartas me passando pelo homem que roubava minha Stela. Depois disso, ele com certeza teria o que merecia.

Me sentia sempre o melhor de dois demônios ao fazer aquelas coisas. Pior do que eu, só o próprio diabo. Algo dentro de mim me deixava triunfante ao me comparar com aquele ser obscuro.

Depois de receber esta e mais algumas cartas nada amigáveis do falso Joshua, Stela veio procurar apoio em mim. Ela desabafava, comigo, o quanto se sentia chateada por ele ter escrito algo e no outro dia não se lembrar de nada.

Até chegar a fatídica noite. Stela não era de abraçar as pessoas, pelo menos nunca a vi praticar tal ato, mas mesmo assim ela me envolveu em seus braços e deixou um beijo estalado em minha bochecha. Isso comprovou uma porcentagem de sucesso no meu plano.

Isso foi acontecendo com cada vez mais frequência. Ouvia a mais nova desabafar todas as noites. O luar parecia colaborar comigo, refletindo sua imagem iluminada, poética e melancólica nas águas do mar. Mas que era como Stela: intenso, vasto, profundo e agitado.

E ela me beijou num dia ensolarado de verão. Um beijo calmo e terno, como o mar naquele dia. Foi uma sensação indescritível, seus lábios doces em contato com os meus me faziam sentir mais leve que o ar.

Contei a novidade à tripulação, enquanto Joshua parecia mais abatido do que nunca. Pensei que, pelo menos, Stela estaria nos braços do homem certo.

Em um dia de inverno, Joshua conversou comigo, dizendo que Stela sempre ia embora. Como resposta, disse que ela só se prenderia a mim se quisesse.

Na prática não foi bem assim. Caprichava nas belas palavras que derretiam o coração de Stela. Mas, na verdade, apenas tinha achado cartas do verdadeiro Joshua enquanto limpava seu quarto. Anotei tudo no pulso na primeira vez, e passei a levar um bloquinho de papel para anotar tudo e amolecer a moça.

Muito tempo depois, Stela e eu estávamos unidos, mas não oficialmente. Não nos casamos, por escolha dela. Concordava com o que ela propusesse, para não correr o risco de perdê-la para Joshua novamente.

Tudo ia acontecendo, e Joshua parecia cada vez mais abatido. Não comia direito, não fazia a barba, não cortava o cabelo. Parecia um mendigo, maltrapilho e magro. Daria até pena, se isso não fosse para chamar a atenção de Stela.

Não pude negar o alívio que preencheu meu peito quando o homem se jogou na imensidão das águas do mar. Se juntou à sua água amada para se libertar de um amor não correspondido. Eu acalentava Stela, mas não estava nem um pouco triste. Pelo contrário, estava radiante.

Não sei como, mas um marinheiro de nossa tripulação descobriu minha armadilha. Não contou nada a Stela, segundo seu discurso, mas finalizou com um “no inferno você pagará por tudo o que fez.”

Eu apenas lhe lancei um sorriso maroto e voltei para o convés, onde Stela se encontrava admirando as águas. Eu a abracei por trás, enquanto observávamos o mesmo ponto.

 

Turma: 805

Grupo: Manuela, Maria Clara e Luana

Antes da moça tecer

forma-de-amar-psicologa-fabiola

Tudo aconteceu na cidade de Lysós, no ano de 1950. Melissa era uma bruxa muito diferente das outras, uma bruxa do bem. Tudo o que pedia, em um simples toque em seu vestido aparecia. Ela adquiriu esse poder com a sua avó, Clarisse, que antes de ser morta pela sua irmã, uma bruxa do mal, tinha que passar seu poder para uma herdeira e a única herdeira era Melissa.

Melissa se sentia triste, pois sua mãe tinha morrido. Ela morava em uma casa de madeira simples e se sentia solitária, então decidiu criar um cachorro para lhe fazer companhia. Tocou em seu vestido branco com pequenas borboletas roxas feita por ela e apareceu um dálmata filhote. Passaram-se seis anos e o cachorro, já crescido, fugiu de casa. Após esse episódio, a moça pensou muito e assumiu a responsabilidade de ter uma filha para herdar seu poder.

O tempo passou e ela se descobriu grávida de uma menina. Decidiu chamá-la de Linda, pois seria a mais bonita da cidade. Assim que nasceu, Melissa viu nos olhos azuis de Linda que seu poder tinha sido transmitido para sua filha. Quando Linda completou seus 16 anos, Melissa contou a ela sobre serem bruxas. Então Linda, não acreditando em sua mãe, foi tecer um pano para verificar se o que ela havia dito era verdade. Quando ela começou a tecê-lo chovia muito e ela decidiu tecer o lindo sol com fios de ouro. De repente o sol se abriu entre as nuvens; Linda, impressionada, correu para os braços da mãe e quis saber mais sobre esse poder.
A mãe falou que quando ela quisesse algo era só tecer e, desde então, ela não parou de tecer imagens bonitas, seres e objetos, ficando conhecida por todos como a moça tecelã.

Uma vida tecida em boas memórias

Resultado de imagem para maquina de costura saindo pano ilustrativo     Depois de perceber que em seu mundo não conseguiria ser feliz, a moça tecelã pensou em um modo de encontrar alguém que a amasse de verdade e que ela não precisasse tecer. Chegou à conclusão de que a melhor forma era sair daquela rotina.

Ficou imaginando uma maneira de realizar tal coisa. Sua melhor ideia foi fazer um portal que a levaria para outro lugar. Demorou um bom tempo para ela tecer esse portal, pois era de extrema complexidade, além de exigir muitas linhas.

Com ele pronto, preparou suas coisas e seguiu rumo a uma vida onde poderia ser livre. Quando o atravessou, se deparou com uma vila modesta, onde ficou encantada com os habitantes que passavam diante dela.

Começou a andar na vila para explorá-la e conhecê-la. Porém, logo a moça tecelã se perdeu. Ela andava  sem rumo quando esbarrou acidentalmente em um rapaz, ambos pediram desculpas. Naquele momento, a moça tecelã sentiu algo que nunca havia sentido antes: o amor.

Seu nome era Tissu, um jovem de corpo esbelto, cabelos lisos, olhos castanhos e sedutores. Ele lhe perguntou qual era seu nome, ela falou que não sabia quem era ela mesma. Tissu sentiu pena e, ao mesmo tempo, uma atração pela moça, pois ela era muito bonita e atraente; falou que iria ajudar a tecelã a lembrar quem ela era.

Não demorou muito tempo para que ficassem íntimos; Tissu deu a ela uma personalidade, uma vida e também um nome; agora se chamava Cassandra, um nome nobre e justo para uma moça atraente.

Logo Tissu e Cassandra começaram a namorar. Passou um tempo… Agora ambos estavam morando juntos, Cassandra estava apaixonada, o amor deles era como se fosse uma linha a tecer e assim foi até o final de suas adoráveis vidas.

Uma surpresa para Toshiro

     Há quase um mês, um gentil japonês chamado Toshiro era traído, sem desconfiar, pelo seu melhor amigo e sua esposa, Fujie. Certo dia, voltando de sua aula de judô, resolveu visitar seu amigo, pois já não o via há bastante tempo.

    Chegando ao apartamento de seu parceiro, bateu na porta, mas não foi atendido. Estranhou, pois o mesmo já deveria ter chegado do trabalho naquele horário. Curioso, resolveu puxar a maçaneta e notou que a mesma estava destrancada, o que o preocupou; por isso, decidiu entrar.

    Assim que entrou, escutou ruídos que vinham do quarto e os seguiu. Ao abrir a porta, deparou-se com a sua esposa na cama com aquele que dizia ser seu melhor amigo. Vendo aquela cena, não conseguiu dizer nenhuma palavra, apenas foi embora.

    Desolado, andava pelas ruas sem rumo até que avistou um bar e, como tentativa de esquecer a infeliz situação em que se encontrava, resolveu entrar para beber. Enquanto tomava sua cerveja, viu uma linda mulher aproximando-se encharcada devido à tempestade que caía lá fora. A mesma, que sentou-se ao seu lado após pedir uma bebida, notou que o rapaz parecia cabisbaixo, por isso, resolveu puxar assunto.

    As horas passavam, o bar esvaziava-se e a conversa só fluía. Já estava quase amanhecendo e os dois pareciam que se conheciam há muito tempo. A moça, que se apresentou como Daphne, contou toda sua história de desilusão amorosa a Toshiro, que fez o mesmo. Ali, sentados em um balcão de um simples bar, perceberam que eram feitos um para o outro.